Câmara de São Paulo aprova projeto de lei que cria ‘Dia da Harmonização Facial’

Apesar de ser antigo o uso do botox e dos preenchimentos com ácido hialurônico como forma de conseguir um rosto mais jovem e belo, a busca por procedimentos estéticos, nos últimos anos, continua em escala ascendente.

A harmonização facial caiu no gosto das celebridades, o que aumentou ainda mais sua popularidade e pessoas comuns também aderiram à nova moda. Entretanto, esse procedimento estético ainda divide a opinião de muitos. 

 Prova disso foram as várias críticas, principalmente nas redes sociais, a famosos que fizeram a harmonização, enquanto outros elogiaram os resultados. Casos mais recentes foram os das ex-BBBs Eslovênia Marques e Laís Caldas.

As duas fizeram harmonização facial, porém, enquanto Eslô foi bastante elogiada pelos seguidores e fãs, Laís não teve a mesma sorte: acabou recebendo duras críticas sobre o procedimento estético que realizou antes de entrar na casa.

Segundo a periodontista, especializada em harmonização orofacial (HOF), Andréa Murta, o que dá essa diferença nos resultados é tanto como o procedimento foi feito quanto a quantidade de material utilizado. “Além disso, devemos considerar a queixa e a necessidade principal de cada paciente, visando sempre propor o planejamento do tratamento com base nisso”, explica.

“O primeiro passo é pesquisar e buscar informações a respeito do profissional escolhido para realizar tal procedimento. Ele, além de qualificado, deve ter experiência no assunto, boas referências e um olhar muito certeiro”, diz Andréa.  Uma pré-avaliação – seja por um cirurgião plástico, por um cirurgião-dentista, um biomédico ou um fisioterapeuta dermato-funcional – deve ser feita sempre quando o assunto é harmonização facial.

“É fundamental que os desejos do paciente estejam alinhados com o que pode e deve ser realizado pelo profissional, para evitar deformidades, transformações severas ou frustrações. Os resultados vão depender desse conjunto de fatores”, esclarece o biomédico e mestre em medicina estética Thiago Martins.

No caso do rosto, existem tanto procedimentos temporários quanto permanentes. Procedimentos temporários incluem aqueles como preenchimento com ácido hialurônico, botox e bioestimuladores. Os profissionais esclarecem que, se a aplicação for feita com ácido hialurônico, existe no mercado uma enzima chamada hialuronidase capaz de retirar o produto da região onde foi aplicado.

Todos esses resultados que tiveram uma repercussão negativa ou que mudaram drasticamente a estrutura facial do paciente vão na contramão do verdadeiro propósito do procedimento. A harmonização facial surgiu com o intuito de trazer naturalidade. “O conjunto de técnicas tem como objetivo proporcionar um equilíbrio estético à face do paciente. As leves e sutis modificações trazem uniformidade, mas não alteram as características naturais.

Digo isto aos meus pacientes: o procedimento é para ser feito e somente eles notarem. As pessoas percebem que o rosto está mais harmônico, mas não sabem o motivo, pois os traços permanecem os mesmos”, esclarece Thiago.

Via: https://www.em.com.br/app/noticia/bem-viver/2022/05/29/interna_bem_viver,1368987/harmonizacao-facial-quais-sao-os-limites-para-fazer-o-procedimento.shtml